Menu fechado

Por Isabelle Christine Bergamo, Suellen Rodrigues Maia, Leandro Zuccolotto Crivellenti

Gatos e bebedouros: Uma relação que vai além da necessidade fisiológica

Foto: IstockPhoto/herraez

A ingestatão hídrica é uma necessidade básica de todo ser vivo e garante a homeostase do organismo através do balanço de ganhos e perdas de líquidos. Embora seja óbvio que o consumo de água se trate de uma condição vital, existe uma relação intrínseca nesse hábito que vai muito além da necessidade fisiológica quando o foco concerne a espécie felina.

Sabe-se que o período evolutivo foi marcado pela seleção natural das espécies, onde as adaptações ao meio foram essenciais para a sobrevivência. Dessa forma, felinos selvagens são animais que se desenvolveram em ambientes desérticos e adquiriram mecanismos adequados para manter o status hídrico, entre os quais destaca-se uma maior tolerância a perda de fluidos em conjunto com a capacidade de produzir urina maximamente concentrada. Descendendo destes, no gato doméstico, tais adaptações também estão presentes, porém seu ambiente e condições de vida são completamente diferentes dos seus antecessores, assim como, sua longevidade, o que pode impactar na predisposição à distúrbios patológicos, principalmente nefro-urológicos.

Seja bem-vindo(a) leitor(a)!
Ainda não é assinante?

Assine agora e tenha acesso ilimitado a todas as materias de todas as edições da revista Medicina Veterinária em Foco!

Assinar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *